semana alv

Andar na rua - Na próxima Quinta, à mesma hora.

O Projeto “Andar na rua”, de Torres Vedras, mereceu por parte do Júri do Prémio Semana ALV 2016 o Diploma de Apreço Especial pela sua Origem Cidadã.

O desejo de ver mais gente a andar pelas ruas do centro histórico de Torres Vedras, de melhor conhecer os seus recantos e histórias e, sobretudo, a vontade de aproximar mais as pessoas que nele vivem e trabalham, dando novos sentidos às relações de vizinhança, foram alguns dos aspetos que estiveram na base da apresentação desta proposta.

A Educação de Adultos na Escola Marquesa de Alorna

O Agrupamento de Escolas Marquesa de Alorna tem tido, ao longo do tempo, as ofertas formativas possíveis que foram sendo ajustadas a públicos existentes na proximidade, tendo sido criados protocolos com diversas entidades de forma a facilitar esse apoio.

Um protocolo que mantemos há mais de uma década é com o Estabelecimento Prisional de Lisboa (EPL) cujo projeto educativo decorre das necessidades existentes no âmbito da formação de adultos.

+Literacia – um projeto da ADEIMA

O projeto +Literacia da ADEIMA - Associação para o Desenvolvimento Integrado de Matosinhos, recebeu uma Menção Honrosa no âmbito do Prémio Semana ALV 2016 pela promoção e o desenvolvimento da cidadania nos adultos naquele município.
O projeto + Literacia é um dos muitos projetos da ADEIMA que tem como objetivo central promover a integração económica dos grupos sociais menos favorecidos da população do concelho de Matosinhos.

Atividades Locais 2016

Incentivámos as entidades que promoveram Atividades Locais a fazer um registo da ação em diversos meios, como fotografia ou vídeo, e elaborar um portefólio para ser divulgado no site da Semana ALV 2016. Estes registos podem servir de exemplo para futuras Semanas Aprender ao Longo da Vida.

Apresentamos hoje Atividades Locais diversificadas. As duas primeiras ocorreram na Costa da Caparica e a terceira em Seia.

Educação (de Adultos), para que vos quero?

Há 24 anos, quando cheguei à Escola Secundária de Camões, o ensino noturno tinha o mesmo número de alunos que o ensino diurno (cerca de 1500) e desde aí tem havido uma quebra na procura do ensino noturno. O que justifica esta quebra não sei mas, houve com certeza uma alteração das motivações para a procura deste tipo de ensino e consequentemente da correspondente oferta.

Páginas

Subscreva RSS - semana alv