Oradores

Katie O'Rourke

É a responsável pela Comunicação na AONTAS, a Organização Nacional de Aprendizagem de Adultos, uma ONG Irlandesa.

Trabalho para a AONTAS – a Organização Nacional de Aprendizagem de Adultos. Fundada em 1969, somos uma ONG independente com quase 500 membros em todo o país. O nosso trabalho centra-se em: advogar e fazer lobby para o desenvolvimento de um serviço de qualidade para aprendentes adultos; promover o valor e os benefícios da aprendizagem de adultos e construir capacidade organizacional, com ênfase especial naqueles que não beneficiaram da educação inicialmente ou que estão sub-representados na aprendizagem de adultos.

Como responsável de Comunicação da AONTAS, lidero uma equipa complementar nas áreas de Informação e Eventos. Implemento a Estratégia de Comunicação, assegurando que todas as comunicações internas e externas estejam alinhadas com os objetivos estratégicos da organização e garantindo os melhores resultados e alcance possíveis.

Desde que me juntei à AONTAS em 2011, assumi várias funções – cada cargo acrescentava responsabilidade. Esses diferentes papeis permitiram-me desenvolver uma abrangência no conhecimento e compreensão do setor de educação de adultos e dos problemas enfrentados pelos aprendentes adultos. Sou apaixonada pela defesa do direito de todos os adultos na Irlanda a ter acesso a uma aprendizagem de qualidade.

Na minha função atual, trabalhei no desenvolvimento de uma Estratégia de Comunicação, na renovação e desenvolvimento do website. Liderei campanhas promocionais bem-sucedidas enquanto desenvolvia relações com os media e os principais interessados. Formada em Jornalismo, Relações Públicas e Gestão de Eventos, tenho mais de 8 anos de experiência profissional trabalhando na área de advocacia, política e comunicação dentro do setor das ONGs na Irlanda.

Cláudio Torres 

Fundador e Diretor do Campo Arqueológico de Mértola. Fundador e diretor da revista "Arqueologia Medieval". Doutor “honoris causa” pela Universidade de Évora (2001). Prémio Pessoa 1991. Em 1993 foi investido pelo Presidente da República com a Grã Cruz da Ordem do Infante D. Henrique. Desde 2006, membro do Concelho Consultivo do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR). Entre 1974 e 1986, docente de várias cadeiras ligadas à História Medieval na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Entre 1986 e 1996, chefe da Divisão Sociocultural da Câmara Municipal de Mértola. Entre 1996 e 2002 (data da sua reforma), diretor do Parque Natural do Vale do Guadiana. Em 2001 Representante de Portugal no Comité do Património Mundial da UNESCO. Entre 1996 e 2007, Presidente da Comissão Nacional Portuguesa dos Monumentos e Sítios – ICOMOS. Entre 2004 e 2012, Coordenador Nacional da Rede Portuguesa da Fundação Anna Lindh.

Tem desenvolvido a sua atividade científica em particular na área do património cultural, nomeadamente nos domínios da arqueologia, da investigação histórica e da museologia. Da sua atividade museográfica destaca-se: Diretor do Museu de Mértola desde a sua fundação; Em 1988, organizou e dirigiu a equipa que montou na galeria Bab Oudaya em Rabat, Marrocos, a exposição "Mértola Almorávida e Almôada"; 1997, Consultor científico da Exposição itinerante "Memórias Árabo-Islâmicas em Portugal" organizada pela Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses; 1998, Membro da Comissão Científica do programa de incremento do turismo cultural "Moura Encantada" lançado pela Direção Geral de Turismo; 1998, Comissário (em colaboração) da exposição itinerante "O Islão entre o Tejo e o Odiana."; 1998 Comissário científico (em colaboração) da exposição "Portugal Islâmico. Os últimos sinais do Mediterrâneo" aberta no Museu Nacional de Arqueologia até finais de Outubro; 1999 Comissário científico (em colaboração) da exposição "As portas do Mediterrâneo" aberta em Tânger durante os meses de Setembro e Outubro e em Rabat durante os meses de Novembro e Dezembro do mesmo ano.

Entre outros trabalhos publicados, destacam-se: "O Gharb al-Andaluz" in História de Portugal - (Vol. I), 1992 (direção de José Mattoso), Círculo de Leitores; "A arte islâmica no Ocidente Andaluz" (em colaboração) 1995 in História da Arte Portuguesa (direção de Paulo Pereira) "O Legado Islâmico em Portugal" (em colaboração) 1998, Círculo de Leitores.

Rui Horta

Rui Horta, diretor artístico da Associação Cultural O Espaço do Tempo recebeu recentemente o Prémio Gulbenkian Conhecimento, pelo trabalho desenvolvido no centro multidisciplinar de residência e experimentação artística de Montemor-o-Novo.

Começou a dançar aos 17 anos nos cursos de bailado do Ballet Gulbenkian. Viveu vários anos em Nova Iorque, onde completou a sua formação e desenvolveu o seu percurso de intérprete e professor. Em 84 regressou a Lisboa onde continua a sua actividade pedagógica e artística. Nos anos 90 viveu na Alemanha onde dirigiu o Soap Dance Theatre Frankfurt, sendo o seu trabalho considerado uma referência na dança europeia e apresentado nos mais importantes teatros e festivais em todo o Mundo. Em 2000 regressou a Portugal e fundou O Espaço do Tempo, um centro multidisciplinar de residência e experimentação artística. Para além do seu trabalho de criador independente, criou, como artista convidado, um vasto repertório para companhias como: Culberg Ballet; Ballet Gulbenkian; Grand Ballet de l'Opera de Genéve; Ópera de Marselha; Netherlands Dance Theatre; Ópera de Gotemburgo; Companhia Nacional de Bailado; Random Dance, Carte Blanche, etc. Recebeu importantes prémios e distinções: Grand Prix de Bagnolet; Bonnie Bird Award; Deutsche Produzent Preis; Prémio Acarte; Prémio Almada; Grau de Oficial da Ordem do Infante; Grau de Chevalier de l'Ordre des Arts et des Lettres. A sua criação coreográfica dos anos 90 foi classificada como Herança da Dança Alemã. Nas artes performativas o seu trabalho de encenador estende-se o teatro, à ópera e à música experimental, sendo igualmente desenhador de luzes e investigador multimédia, universo que utiliza frequentemente nas suas obras.

Luís Gomes da Costa

Presidente da Binaural – Associação Cultural de Nodar (São Pedro do Sul, Portugal). Curador, programador, organizador e documentarista sonoro e vídeo. Em 2006 decide voltar ao território das suas raízes, as montanhas dos maciços da Gralheira, Arada e Montemuro, para desenvolver projetos de documentação, reflexão e expressão contemporâneas, cruzando vivências quotidianas, criação artística e pesquisa territorial. Coordenador do Nodar Rural Art Lab, um, espaço de pesquisa artística multimédia na aldeia rural de Nodar, o qual acolheu já mais de uma centena de artistas e investigadores. Coordenador do Arquivo da Memória de Dão-Lafões e Paiva, um projeto de pesquisa, catalogação e mapeamento audiovisual da memória coletiva de territórios dos distritos de Viseu e Aveiro, integrado na rede mediterrânica Tramontana de arquivos de memória de zonas de montanha. Realizou o documentário sonoro/vídeo experimental “Onde nasce o meu Paiva?”, estreado em 2011 durante o Festival Paivascapes #1. Enquanto artista sonoro, publicou em 2011 na Edições Nodar, com o artista sonoro inglês Jez riley French, o CD “Sonata for Clarinet and Nodar” e em 2014 o livro+CD "São Pedro do Sul: Novas Escutas Rurais". Co-editou em 2011 o catálogo e CD duplo “Três Anos em Nodar – Práticas Artísticas em Contexto Específico no Portugal Rural”, publicou em 2012 o livro de ensaios e entrevistas “Viver um Mundo Antigo: Textos de Arte e Território (2012-2008) e co-editou já em 2014, o livro+DVD “Il Senso del Dolore: Due Opere di Manuela Barile”, publicado em conjunto pelas Edições Nodar e pela editora italiana La Parete della Caverna.

Luiza Cortesão

Atualmente Professora Emérita da Universidade do Porto, é Professora Catedrática Jubilada da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP), onde, para além de investigadora do Centro de Investigação e Intervenção Educativas, é Presidente da Direção do Instituto Paulo Freire de Portugal e Coordenadora do Centro de Recursos Paulo Freire.

Desenvolve vários projetos de investigação e intervenção, sobretudo na área da educação e diversidade cultural. Para além de colaborar com centros de investigação e universidades brasileiras, realizou, como consultora da UNESCO, missões nos PALOP, nomeadamente em Moçambique, Cabo Verde, Angola e São Tomé.

Tem publicado livros e artigos em revistas nacionais e internacionais. Foi agraciada, pelo então Presidente da República Dr. Jorge Sampaio, com o grau de Grande-Oficial da Ordem da Instrução Pública.

Luís Rothes

É Professor Coordenador na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto.

Concluiu Doutoramento em Ciências da Educação pela Universidade do Porto em 2006. Desempenha, desde 2014, o cargo de Pró-Presidente do Instituto Politécnico do Porto. Foi Presidente do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Educação entre 2011 e 2017. Publicou 16 artigos em revistas especializadas e 7 trabalhos em atas de eventos, possui 21 capítulos de livros e 12 livros publicados. Possui 105 itens de produção técnica. Participou em 17 eventos em Portugal. Orientou 4 dissertações de mestrado e coorientou 1 nas áreas de Ciências da Educação e Outras Ciências Sociais. Entre 1993 e 2013 participou em 8 projetos de investigação, sendo que coordenou 1 destes. Atualmente participa em 2 projetos de investigação, sendo que coordena 1 destes. Atua na área de Ciências Sociais com ênfase em Ciências da Educação. Nas suas atividades profissionais interagiu com 25 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. No seu curriculum DeGóis os termos mais frequentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Desigualdades sociais e Educação de adultos.

Ana Luisa de Oliveira Pires

Doutorada em Ciências de Educação pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT-UNL) e fez Pós-Doutoramento na Faculdade de  Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa. É Professora Coordenadora na Escola Superior de Educação do  Instituto Politécnico de Setúbal, onde coordena a Unidade de Desenvolvimento, Reconhecimento e Validação de Competências do IPS. É membro integrado da Unidade de Investigação Educação e Desenvolvimento da FCT-UNL e do CIEF-IPS. Tem desenvolvido investigação nas áreas da Educação/Formação de Adultos, Formação ao Longo da Vida, Políticas Educativas no Ensino Superior e Formação de Professores, com diversas publicações nacionais e internacionais.

 

 

 

 

 

 

 

Alexandra Tomé

Vereadora na Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra desde 2013, tem vindo a assumir os pelouros de Educação, Cultura, Ação Social, entre outros, tendo desempenhado, antes disso, o cargo de Chefe de Gabinete ao serviço da designada Autarquia, com responsabilidades delegadas nas mesmas áreas.

Cursou na área de Direito da Universidade de Coimbra, tendo-se especializado em Ciências Jurídico Administrativas pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Exerceu funções de advogada nas Comarcas de Pampilhosa da Serra e Oleiros, tendo sido, inclusive, Delegada da Ordem dos Advogados pela Comarca de Pampilhosa da Serra.

No decorrer do seu percurso profissional veio ainda a tornar-se Presidente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens em Risco de Pampilhosa da Serra, cargo que assumiu de 2007 a 2018, e Presidente da Assembleia Geral da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Pampilhosa da Serra.

É membro da Direção Pinhais do Zêzere - Associação para o Desenvolvimento, Curadora da Fundação Dr. José Fernando Nunes Barata, Representante do Município de Pampilhosa da Serra no Conselho Geral do Agrupamento de Escolas Escalada, Pampilhosa da Serra, Coordenadora do Conselho Local de Ação Social de Pampilhosa da Serra e Conselheira para a Igualdade nomeada pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género.

Cátia Sofia Mendonça de Freitas

Licenciada em Geografia e Planeamento Regional pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Universidade Nova de Lisboa, concluindo a mesma em 2005.

Foi docente de Geografia do 3.º Ciclo e formadora de Cidadania e Profissionalidade nos Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) entre os anos letivos de 2009/2010 e 2013/2014, exercendo igualmente o cargo de Mediadora Pessoal e Social.

Atualmente é Geógrafa na Câmara Municipal de Câmara de Lobos, tendo sido responsável pela elaboração da Carta Educativa do município, bem como a elaboração da candidatura da cidade de Câmara de Lobos ao Prémio Cidades de Aprendizagem 2017.

 

 

 

 

 

 

Maria Aurora Moura Vieira

Licenciada em Química, com várias Pós-Graduações nas áreas da Liderança, Sociologia, Administração e Organização Escolar e Marketing Político e Social.

Exerceu funções de Docência de Físico Química e de Bioquímica, em vários Agrupamentos de Escolas de Gondomar, foi Presidente do Conselho Executivo, bem como, Diretora do Agrupamento de Escolas de Rio Tinto.

Exerceu ainda as funções de Deputada na Assembleia da República, entre 2002 e 2005.

Foi Presidente de Junta de Freguesia de Gondomar (S. Cosme), entre 1993 e 2002 e atualmente é Vereadora da Educação, dos Recursos Humanos e da Cidadania e Participação na Câmara Municipal de Gondomar, pelo segundo mandato consecutivo.

Edição: